Wikia

Fantastipedia

Eos

Discussão0
831 pages em
Este wiki
Aurora

Aurora, de Guido Reni (1613)

Laurore

A Aurora, de William-Adolphe Bouguereau (1881)

The Gates of Dawn

As Portas da Aurora, de Herbert Draper (1900)

Aurora und cephalus

Aurora e Céfalo, de Pierre Narcisse Guérin (1810)

Eos, chamada Aurora ou Matuta pelos romanos, é a deusa grega do nascer do Sol. Seu nome provém da raiz proto-indo-européia *awes, "brilhar". O grego eólico tinha a forma au(s)ôs.

Origem Editar

Segundo a versão mais conhecida, a de Hesíodo, Eos era filha dos titãs Hipérion e Teia, irmã, por conseguinte de Hélios (o Sol) e Selene (a Lua). Com seus dedos cor-de-rosa (rhododáktylos), como lhe chama Homero, abre todas as manhãs as portas do céu para o carro do Sol.

Segundo uma variante, Eos seria filha do Titã ou gigante Palas e, com Astreu, irmão de Palas, teria sido mãe dos ventos Zéfiro, Bóreas e Noto, bem como dos Astros e de Heósforos, a Estrela da Manhã que "traz a Aurora".

Eos foi provavelmente a deusa indo-européia da beleza e do amor, antes de ser sobrepujada por Afrodite, de origem suméria e semita. É a única deusa grega cujas raízes são inequivocamente indo-européias e compartilhadas com outros povos da mesma família lingüística. No mito grego, Eos aparece como grande amante, mas sempre insatisfeita, por castigo de Afrodite.

Características Editar

Quando Eos, a recém-nascida, arauta da luz e do sol, se alça renovada das correntes do Oceano, demarca o limite que pode ser alcançado pela reputação: tua glória chegará até onde se estende a Aurora.

Geralmente Eos rapta aqueles que ama, prática mais usual em divindades masculinas, como os ventos Bóreas e Zéfiro e os olímpicos Zeus e Apolo. Também são raptoras as divindidades relacionadas à morte, como as Harpias, a Esfinge, Hipnos e Tânatos.

Segundo Junito de Souza Brandão, Eos não é apenas uma raptora de belos mancebos, mas também dos eídola do mortos, pois a Aurora é o marco de um sono normal e em vários mitos assinala não só o início de um novo dia, como o começou de uma vida nova junto aos deuses.

Na Grécia, esta idéia era invocada quando do falecimento de um rei ou herói, após o ritual do sepultamento. Na épica, Eos marca o termo de um funeral. Quando ela se ergueu sobre a pira de Pátroclo, em Tróia, os ventos recolheram-se a seus antros e aquiles foi libertado do pranto, caindo no sono. Nos funerais de Heitor, igualmente sua túnica cor de açafrão apagou as chamas e extinguiu os lamentos.

Na Atenas clássica,, as exéquias eram realizadas à noite. Havia uma relutância ancestral contra macular o dia, a luz e os vivos, mas sobretudo para confirmar a libertação da alma, à chegada de Eos. Em termos mitológicos, a prática estava assentada na crença de que a deusa transportou o morto "nas asas da manhã" e o fazia por amor ou atração sexual. Quando falecia um jovem belo, sobretudo aristocrata, descrevia-se o arrebatamento (harpaguê) do eídolon pelo Dia, Hêmera, em função de um desejo erótico deste último.

A juventude dos amantes de Eos deve constituir o núcleo mais antigo do mito. A criança morta é assistida e mimada por uma das afáveis Queres, como se vê nos berços que ladeiam os túmulos micênicos. Eos se encarrega de levar os corpos demasiado jovens para Tânatos e Hipnos e o morto se abraça com ela no ar, já que não tem outra mãe a quem agarrar-se.

Nos sepultamentos de adolescentes, Eos assume o papel de principal entoadora das lamentações fúnebres. Sua emoção é Potos que, logo a seguir, transforma-se em Eros. Por amor, Eos encarrega-se do transporte do amante.

Mitos de Eos Editar

  • Por obra de Afrodite, Eos raptou o gigante Órion, filho de Euríale e Posêidon e o transportou para a ilha de Delos. Órion, porém, foi morto por Ártemis porque tentou violentar a virgem hiperbórea Ópis, que fazia parte do cortejo da deusa da caça.
  • Eos arrebatou, em seguida, o jovem Céfalo, filho de Herse e Hermes, e o levou para a Síria. Desse amor teria nascido Faetonte, que na versão mais conhecida é filho de Hélio, o Sol.
  • Eos também raptou o belo troiano Titono, filho de Laomedonte e de Leucipe ou de Estrimo, filha esta última do rio Escamandro. De qualquer forma, Titono é o irmão mais velho de Príamo. Fugiu com o aamado para a Etiópia e lhe deu dois filhos, Emátion e Mêmnon, que se tornou rei dos etíopes e morreu lutando contra Aquiles em Tróia. Apaixonada pelo marido, suplicou a Zeus que o tornasse imortal, mas se esqueceu de pedir para o mesmo a juventude eterna. Desse modo, Titono envelheceu a ponto de perder a aparência de homem, transformando-se em uma cigarra dessecada.

Referências Editar

  • Junito de Souza Brandão, Dicionário Mítico-Etimológico da Mitologia Grega, Vozes, Petrópolis 2000.

Rede da Wikia

Wiki Aleatória