Wikia

Fantastipedia

Hamadríades

Discussão0
825 pages em
Este wiki
Hamadriade
Uma Hamadríade, de John William Waterhouse (1917)
IctoonAdicionada por Ictoon
Quercus
Carvalho, espécie Quercus ilex
IctoonAdicionada por Ictoon

As hamadríadas, hamadríades (Ἁμαδρυάδες, Hamadryádes, em grego) ou adríades ( Ἀδρυάδες, Adryádes, em grego) são ninfas que nascem ao mesmo tempo que as árvores e cuja vida está ligada à da própria árvore. Seu nome é um composto de háma, "ao mesmo tempo", "simultaneamente" e drys, dryos "árvore", "carvalho". Fazem corpo com o carvalho, isto é, estão incorporadas a essa árvore sagrada e participam de seu destino: morrem se ela for abatida.

O poeta Calímaco de Cirene (310-240 a.C.), no Hino a Delos, descreve a palidez e a angústia da hamadríada Mélia, quando um raio fulminou o carvalho à cuja existência estava ligada sua própria vida.

As hamadríades estão em festa quando as chuvas enviadas por Zeus tomam e encharcam os carvalhos e entram numa profunda depressão, quando, por falta das "águas do céu", suas árvores invioláveis perdem as folhas e ameaçam secar, o que põe em perigo a existência dessas ninfas.

Implacáveis com os que lhes cortavam as árvores sagradas, as hamadríadas freqüentemente pediam a determinados heróis que lhes salvassem as árvores que são sua própria vida [1].

O Banquete dos Sofistas, de Ateneu, lista oito hamadríades como filhas de Oxilo ("faia") e Hamadríade ("com o carvalho") que habitavam o monte Oita na Ftiótida:

  1. Karya ("nogueira", nome que abrange também a avelaneira e castanheira)
  2. Balanos ("bolota" ou "glande", fruto dos carvalhos)
  3. Kraneia ("corniso")
  4. Morea ("amoreira")
  5. Aigeiros ("choupo-negro")
  6. Ptelea ("olmo")
  7. Ampelos ("vinha", nome que abrange a videira silvestre Vitis silvestris, à briônia ou corriola-rosada Bryonia creticus e à uva-de-cão Tamus communis)
  8. Syke ("figueira")

Dafne Editar

Apollo d
Apolo e Dafne, de Gian Lorenzo Bernini (1625)
IctoonAdicionada por Ictoon

Dafne (do grego Δάφνη,Dáphnê, "loureiro"), náiade filha do deus-rio Peneu e da náiade Creusa, também se tornou uma hamadríade.

Eros, que estava aborrecido com Apolo por este zombar de sua habilidade com o arco e se dizia incomodado por sua cantoria, pregou-lhe uma peça, ferindo-o com uma flecha de ouro, que provoca o amor, enquanto a ninfa era atingida por uma flecha de chumbo, que causa repulsa.

Perseguida por Apolo e cansada de fugir, Dafne pediu ao pai que a livrasse de tal situação. Peneu, então, a tranformou em loureiro, árvore que foi consagrada a Apolo. Desde então, o deus sempre trouxe consigo uma coroa de louros.

Uma variante menos conhecida, reportada por Partênios de Nicéia, faz de Dafne uma filha de Amiclas que praticava a caça na Lacônia e era devota de Ártemis e, portanto, da castidade. Um jovem chamado Leucipo, apaixonado, disfarçou-se de mulher para ser admitido na companhia de Dafne. Apolo, também apaixonado por Dafne e ciumento do privilégio que Leucipo conquistou com seu subterfúgio, inspirou às caçadoras o desejo de se despir para tomar banho. Leucipo foi obrigado a revelar sua masculinidade e massacrado a golpes de dardos, enquanto Dafne foi transformada em loureiro por Zeus.

Referências Editar

  1. Junito de Souza Brandão, Dicionário Mítico-Etimológico da Mitologia Grega, Vozes, Petrópolis 2000

Rede da Wikia

Wiki Aleatória