Wikia

Fantastipedia

Obá

Discussão0
825 pages em
Este wiki
Oba
Obá
IctoonAdicionada por Ictoon
Obaafro gran
Outra interpretação de Obá
IctoonAdicionada por Ictoon

Obá (de Ọbà, nome iorubá de um rio) é a orixá do rio Obá e a terceira esposa de Xangô. As águas revoltas dos rios, as pororocas, as águas fortes e as quedas d'água são considerados domínios de Obá.

Quando Obá se manifesta em alguma das suas iniciadas, leva a mão para cobrir a orelha esquerda, ou usa um torço (turbante), a fim de esconder uma das orelhas. Se Oxum manifesta-se no momento, a tradição exige que as duas divindades encarnadas procurem lutar novamente e é preciso intervir energicamente para separá-las. A dança de Obá é guerreira: ela brande um sabre com uma das mãos e leva um escudo na outra. Sua cor é vermelha. É saudada com o grito "Obá xirê!". Suas oferendas consistem em cabras, patos e galinhas-d'angola.

O arquétipo de Obá é o de mulheres valorosas e incompreendidas, de tendências viris. As suas atitudes militantes e agressivas são conseqüências de experiências infelizes ou amargas por elas vividas. Os seus insucessos devem-se, freqüentemente, a um ciúme um tanto mórbido. Para compensar suas frustrações amorosas, obtêm sucessos materiais em virtude de sua avidez de ganho e do cuidado de nada perder dos seus bens.

No Brasil é sincretizada com Santa Catarina de Alexandria, comemorada em 25 de novembro, e com Santa Joana d'Arc.

Em Cuba, é chamada Oba Nani, legitima esposa de Changó. Mulher nobre, austera e boa, filha de Pduá e Yembó. Foi ela quem ensinou a todos os Orixás a arte da guerra, e quem ensinou a Changó a manejar o machado, a Oyá o chicote e a Ogún todas as suas ferramentas. Oba tem nas mãos a chave que abre e fecha as portas de tudo que está relacionado com os humanos. Para que numa casa nunca falte dinheiro, não deve faltar o Iguaro Oba (iniciado de Oba Nani). Como é "santa" de Ile Ocu (casa dos mortos) e vive no cemitério, tem relação com tudo que é espiritual.

Mitos de Obá Editar

  • Por sua envergadura física, Obá venceu na luta Oxalá, Xangô, Orunmilá, Obaluaiê e Exu e então desafiou Ogum, o mais forte dos orixás masculinos. Por ser ela poderosa, hábil e destemida, Ogum usou um truque. Espalhou uma massa viscosa de milho e quiabo amassado no chão e atraiu Obá para aquele canto, onde a guerreira escorregou. Além de perder a luta, foi possuída à força por Ogum, que se tornou seu inimigo.
  • Xangô era um conquistador de terras e de mulheres, vivia sempre de um lugar para o outro. Em Kossô fez-se rei e casou-se com Obá, sua primeira e mais importante esposa, Obá passava o dia cuidando da casa de Xangô, moía a pimenta, cozinhava e deixava tudo limpo, mas Xangô se apaixonou também por Oiá e Oxum e com elas também se casou, deixando as três viverem às turras pelo amor do rei. Para deixar Xangô feliz, Obá presenteou-lhe um cavalo branco, do qual o rei gostou muito. Tempos depois Xangô saiu para guerrear e levou Oiá consigo. Seis meses se passaram e Obá, desesperada, foi consultar Orunmilá, que a aconselheeu a oferecer em sacrifício um iruquerê, espanta-mosca feito com rabo de um cavalo e pô-lo no teto da casa. Obá encomendou a Eleguá um rabo de cavalo. Este, induzido por Oxum, cortou o rabo do cavalo branco de Xangô, mas não cortou somente os pêlos e sim a cauda toda e o cavalo sangrou até morrer. Quando Xangô voltou da guerra, não encontrou o cavalo, deparou com o iruquerê amarrado no teto da casa e reconheceu o rabo do cavalo desaparecido e soube da oferenda feita pela primeira esposa. Ficou irado e repudiou Obá.
  • Como esposa de Xangô, Obá sempre se sentiu menos desejada por seu amado que Oxum e Iansã. Esmerou-se em agradá-lo com seus pratos cada vez mais aprimorados, mas Oxum era sempre a preferida. Um dia Obá perguntou a Oxum qual o segredo de sua sedução. Oxum, que costumava usar um turbante sobre a cabeça, disse que cortara a própria orelha esquerda e a colocara no amalá (uma comida à base de quiabo) de Xangô que, ao comê-lo, por ela se perdera de paixão para sempre. Obá então cortou a própria orelha e a colocou no amalá. Ao ver Obá com um ferimento no lugar da orelha Xangô quis saber o que houvera e Obá contou. Neste momento Oxum tirou seu turbante e, mostrando as duas orelhas intactas a Obá, desatou a rir. Xangô, zangado com a insensatez de Obá e enojado por ver sua orelha na comida, expulsou-a de seu palácio e Obá tanto chorou e teve raiva que se transformou num rio revoltoso. Na África, no lugar onde se encontram os rios Obá e Oxum o estouro das águas é extremamente violento.
  • Na versão cubana do mito, porém, Oyá é a responsável pela perda da orelha de Obá e esta é amiga de Ochún (Oxum). Obá era Omoregun (amiga inseparável) de Oyá, mas esta a traiu com o amor de Changó. Diz a lenda que Oyá lhe disse que se cortasse uma orelha e fizesse comida a Changó que este não iria nunca a lado algum. Oba fez caso disso e Oyá foi contar a Changó, então surgiu a separação de Oba e Changó. Desta separação Oba e Oyá tornaram-se inimigas e nunca mais puderam viver juntas. Oba só confia em Ochún, que é sua Ocanini (tem o mesmo coração, são parte da mesma "vibração").

Obá na Umbanda Editar

Joana
Santa Joana d'Arc, que na Umbanda representa Obá
IctoonAdicionada por Ictoon

Segundo algumas correntes da Umbanda, Obá forma com Oxóssi a terceira linha, que rege o conhecimento. Oxóssi representa o pólo positivo, que irradia o conhecimento e Obá o pólo negativo, que o concentra e absorve. Um é a argúcia, a outra, a concentração. Outras linhas dizem que ela forma par com Ogum.

Referências Editar

  • Pierre Fatumbi Verger, Orixás: deuses iorubás na África e no Novo Mundo, São Paulo: Corrupio, 1981
  • Lendas dos Orixás: Obá [1]
  • Pai Alex: Obá [2]
  • Blogue de Santeria Cubana: Oba Nani [3] [4]
  • Wikipédia: Obá [5]
  • Wikipédia: Oxossi na Umbanda [6]

Rede da Wikia

Wiki Aleatória