FANDOM


Echis coloratus 2.jpg

Víbora-tapete (Echis coloratus), a provável "serpente de fogo" do Antigo Testamento

Ningizzida.jpg

Ningishzida, representação sumeriana (2000 a.C.)

The Brazen Serpent.jpg

A Serpente de Bronze, de Benjamin West (1790)

Serafimisaias.jpg

Serafim purifica os lábios de Isaías, escola catalã

Seraph.jpg

Serafim, pintura na basílica da Abadia de Conception, Missouri, EUA

Os serafins (do hebraico seraphim, singular seraph) são uma categoria de anjos da tradição judaico-cristã. Na tradição judaica, estão em um patamar intermediário da hierarquia angélica, enquanto na tradição cristã são considerados os mais elevados de todos os anjos.

A única descrição dos serafins como anjos ocorre no livro de Isaías, capítulo 6:

No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam. E clamavam uns aos outros, dizendo: "Santo, Santo, Santo é Yahweh dos Exércitos!"; toda a terra está cheia da sua glória. E os umbrais das portas se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça. Então disse eu: "Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, Yahweh dos Exércitos". Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; e com a brasa tocou a minha boca, e disse: "Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi tirada, e expiado o teu pecado".

Entretanto, a palavra seraphim, relacionada a saraph, "queimar", também é usada para se referir a serpentes venenosas do deserto que picavam os israelitas - provavelmente a víbora-tapete, Echis coloratus, serpente de 30 cm a 60 cm (máximo 80 cm) que vive entre as rochas do deserto e cuja picada é "ardente", não a naja do deserto, cuja picada, apesar de mais mortal, não provoca essa sensação. O exemplo mais conhecido é o do livro dos Números (capítulo 21):

Então partiram do monte Hor, pelo caminho do Mar Vermelho, a rodear a terra de Edom; porém a alma do povo angustiou-se naquele caminho. E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito para que morrêssemos neste deserto? Pois aqui nem pão nem água há; e a nossa alma tem fastio deste pão tão vil. Então Yahweh mandou entre o povo serpentes ardentes [nachashim seraphim], que picaram o povo; e morreu muita gente em Israel. Por isso o povo veio a Moisés, e disse: "Havemos pecado porquanto temos falado contra Yahweh e contra ti; ora a Yahweh que tire de nós estas serpentes". Então Moisés orou pelo povo. E disse Yahweh a Moisés: "Faze-te uma serpente ardente [nachash seraph], e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo o que, tendo sido picado, olhar para ela". E Moisés fez uma serpente de metal, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, picando alguma serpente a alguém, quando esse olhava para a serpente de metal, vivia.
Rod of asclepius.png

Bastão de Asclépio

A figura de uma serpente sobre uma haste era associada à cura e à medicina em várias culturas da Antiguidade. Era a imagem do deus-serpente sumeriano, patrono da medicina e "senhor da boa árvore", possivelmente relacionada à Árvore da Vida do Jardim do Éden. Uma serpente em torno de um bastão também representava Asclépio, o deus grego da medicina em cujos templos eram criadas serpentes sagradas. Em tempos modernos, uma serpente em torno de uma haste ou cálice voltou a ser o símbolo da medicina e da farmacêutica. Parece lógico que os serafins tenham sido originalmente imaginados como agentes dos deuses em forma de serpente, com poderes relativos à cura de doenças.

Na tradição católica, os serafins louvam continuamente a Deus, de cujo trono são os anjos mais próximos. Cantam a "música das esferas" e assim regulam o movimento dos céus. Eternamente ardendo em amor a Deus, seu brilho é insuportável até para os demais anjos.

O Pseudo-Dionísio, em sua Hierarquia Celestial, fixou a natureza ígnea dos serafins na imaginação medieval. Descreve os serafins como ocupados em manter a divindade em perfeita ordem, além de cantar o Trisagion ("Santo, Santo, Santo!" ou, em hebraico, "Kadosh, Kadosh, Kadosh!"). Com base na tradição rabínica, interpretou seu nome como "aqueles que queimam ou aquecem":

O nome serafim indica claramente sua revolução incessante e eterna em torno dos princípios divinos, seu calor e entusiasmo, a exuberância de sua atividade intensa, perpétua, incansável, e sua assimilação elevativa e energética dos que lhe são inferiores, acendendo-os e queimando-os com seu próprio calor, e purificando-os completamente com uma chama que tudo queima e consome; e por seu inocultável, inextinguível, invariável, brilhante e iluminante poder, disersa e destrói as sombras da escuridão.

Tomás de Aquino, na Suma Teológica, oferece sua descrição da natureza dos serafins:

O nome "serafim" não vem só da caridade, mas do excesso de caridade, expresso pela palavra "fogo" ou "ardor". Daqui Dionísio expõe a relação do nome "serafim" com as propriedades do fogo, contendo um excesso do calor. Ora, no fogo podemos considerar três coisas:
  • em primeiro lugar, o movimento que é ascendente e contínuo. Isto significa que estão voltados inflexivelmente para Deus.
  • em segundo lugar, a força ativa que é o "calor", que não é simplesmente encontrado no fogo, mas existe nele com alguma veemência, com ação mais penetrante,alcançando mesmo às menores coisas com fervor superabundante; por meio do qual se representa a ação destes anjos, exercitada poderosamente sobre os que estão sujeitos a eles, estimulando-os a um fervor semelhante e purificando-os completamente com seu calor.
  • em terceiro lugar, consideramos no fogo a qualidade da claridade, ou brilho; o que significa que estes anjos têm em si mesmos uma luz inextinguível e iluminam perfeitamente os demais.

Segundo uma tradição cristã, o líder dos anjos caídos teria sido o mais elevado dos anjos, portanto um serafim. Tomás de Aquino, porém, argumentou que isso seria impossível, pois estes os serafins ardem em caridade, incompatível com o pecado mortal. Afirmou que o responsável pela Queda teria sido um dos querubins, pois estes são os anjos mais identificados com o conhecimento e, portanto, os mais propensos ao pecado do orgulho.

Referências Editar

  • Tomás de Aquino, Sumna Theologica, Prima Pars [1]
  • Wikipedia (em inglês): Seraph [2]
  • Wikipedia (em inglês): Angel [3]
  • Wikipedia (em inglês): Christian angelic hierarchy [4]
  • Wikipedia (em inglês): Jewish angelic hierarchy [5]

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória