FANDOM


Sumé, Pai Sumé ("pajé Sumé"), Zomé ou (em grafia francesa) Sommay é um personagem misterioso, que, antes do descobrimento teria aparecido entre os indígenas, ensinando-lhes o cultivo da terra e regras morais. Com sua ajuda os indígenas plantaram sementes variadas e viram nascer a mandioca, o milho e o feijão. Dotado de poderes extraordinários, era capaz de abrandar chuvas e secas, dominar as ondas do mar e os animais ferozes. Mas os pajés, invejosos do seu poder, só queriam afastá-lo. Repelido, abandonou a região, caminhando sobre as águas do mar. Transpondo distâncias com uma única passada, Sumé livrava-se das flechas que lhe atiravam, fazendo-as voltar e atingir o inimigo.

Relatos sobre Sumé Editar

Tome.jpg

São Tomé, o Apóstolo das Índias (estampa católica)

A passagem de Sumé pelo ldeixou relatos de feitos extraordinários. No município de Cabo Frio, numa elevação chamada Morro da Guia, há um banco e marcas de mãos numa pedra que, segundo a lenda, seriam vestígios de Sumé. Segundo o missionário jesuíta Manuel da Nóbrega, em Cartas do Brasil (1549):

Dizem eles que São Tomé, a quem eles chamam Zomé, passou por aqui, e isso lhes ficou por dito de seus passados e que suas pisadas estão sinaladas junto de um rio; às quais eu fui verpor mais certeza da verdade e vi com os próprios olhos, quatro pisadas mui sinaladas com seus dedos, as quais algumas vezes o rio cobre, quando enche; dizem também que, quando deixou essas pisadas, ia fugindo dos índios, que o queriam frechar, e chegando ali, se lhe abrira o rio e passara por meio dele a outra parte, sem se molhar, e dali foi para a Índia. Assim mesmo contam que, quando o queriam frechar os índios, as frechas se tornavam para eles, e os matos lhe faziam caminho por onde passasse.

Escreveu Simão de Vasconcelos, em Crônica da Compañia de Jesu do Estado do Brasil (1663):

Também é tradição antiga entre eles que veio o bem-aventurado apóstolo São Tomé a esta Bahia, e lhes deu a planta da mandioca e das bananas de São Tomé; e eles, em paga desse benefício e de lhes ensinar que adorassem e servissem a Deus e não ao Demônio, que não tivessem mais de uma mulher nem comessem carne humana, o quiseram matar e comer, seguindo-o com efeito até uma praia donde o santo se passou, de uma passagem, à ilha de Maré, distância de meia légua, e daí não sabem por onde. Devia de ser indo para a Índia, que quem tais passadas dava bem podia correr todas estasmmay era apenas um "grande pajé e caraíba".

O irmão José Gregório, na Contribuição Indígena ao Brasil (1980), disse que:

A crença é documentada de longa data pelo padre João Daniel, quando se refere a uma pedra lavrada no Xingu, com uma pegada de gente. Há outras provas de que na América andou e evangelizou o grande apóstolo São Tomé; nos dão bastante fundamento para suspeitarmos... que neste altar dizia missa; e para testemunha deixou estampados no pavimento os vocábulos, que nos índios é muito desculpável pela falta de livros e memórias, que não têm... Por isso se não deve estranhar em gente tão rude a pequena mudança de T para S, especialmente ficando tão semelhante o som das palavras Tomé e Sumé.

Humberto de Campos cita:

Ao penetrar na região das Minas, os bandeirantes descobriram ali uma pequena cordilheira em cujas pedras se achavam gravados sinais misteriosos. Perguntados os naturais, estes informaram que esses sinais haviam sido abertos por um ancião de grandes virtudes... Esse homem chamava-se Tomé ou Sumé. Daí a denominação geográfica, e ainda preponderante, da Serra de São Tomé das Letras, em Minas Gerais.

Segundo a versão contada por Hernani Donato em Sumé e Peabiru, Sumé ao ser perseguido pelos tupinambás, foi para o Paraguai e dali para o Peru. Para esta travessia, teria aberto a estrada que ficou conhecida como "Peabiru".

Em alguns lugares, como em São Gabriel da Cachoeira, no rio Negro (Amazonas), os moradores, ainda hoje, depositam velas e fazem preces em torno de uma forma de pegada feita em uma rocha. Uns a atribuem a um anjo, outros a São Tomé, ou Pai Sumé. Nas costas da Bahia, gente simples do povo, também se recreia a percorrer as escarpas marinhas, onde se supõe terem ficado os indícios da fuga de Sumé. Petróglifos no mesmo estilo são encontrados na Bolívia e Peru.

Segundo uma lenda contada pela população do baixo Amazonas, "Quando São Tomé esteve entre os índios, meteu-se numa igarité com quatro cablocos reforçados, deu um remo a cada um, ficou no jacumã (remo de popa que serve de leme) e mandou remar rio acima. De vez em quando um cabloco cansava e parava de remar. O santo não dizia nada, batia com o jacumã na traseira dele. E onde o jacuman do santo batia, a carne ia murchando como por milagre."

Sumé e petroglifos Editar

Ingaparaiba.jpg

Petróglifos em Ingá (PB), atribuídos a Sumé ou a São Tomé

Pe-sume.jpg

Pé de Pai Sumé - petróglifo na Baía de Paranaguá, PR

Sumé é citado quase sempre em relação a antigas marcas em pedras, freqüentemente petroglifos intencionalmente criados por culturas pré-históricas, desde "pegadas" quanto pinturas diversas interpretadas como "letras". Em alguns casos, podem ser simples marcas naturais que por acaso assemelham-se a pegadas humanas. Tais marcas eram muito mais disseminadas quando por aqui chegaram os jesuítas, mas o costume dos colonos de raspar a laje para guardar seus fragmentos como amuletos ou talismãs destruiu muitas delas e o progresso acelerou a destruição de outras. Encontram-se no Piauí em Domingos Mourão, Brasileira, Inhuma, Piripiri, Pimenteiras; em São Gabriel da Cachoeira (Amazonas); São Tomé das Letras (Minas); Ingá (Paraíba); Altinho (Pernambuco); Carolina (Maranhão) etc.

Marcas análogas existem em várias partes do mundo, sendo atribuídas a diferentes autores: Jesus, São Bartolomeu, São Tomé ou heróis míticos. Na ilha de Sri Lanka (antigo Ceilão), uma montanha guarda uma marca sagrada de um pé humano. Os budistas dizem que é a marca de Buda; os cristãos a dizem de São Tomé; os hindus a reputam como de seu deus Shiva; e os muçulmanos e judeus as atribuem a Adão.

No Brasil, os nativos atribuíam tais marcas ao misterioso estrangeiro a quem chamavam de Sumé, que um dia esteve entre eles em missão civilizadora. Por semelhança fonética, os jesuítas o identificaram a São Tomé, tido como o "Apóstolo das Índias", concluindo que a palavra de Jesus já fora ouvida nesta terra em tempos idos.

Mais recentemente, as marcas e a tradição de Sumé foram interpretadas, de maneira superficialmente mais racionalista, como evidência da presença de exploradores europeus ou fenícios em tempos pré-colombianos, ou do uso por Tomé de antigos conhecimentos fenicios para chegar às Américas. O austríaco Schwennhagen, por exemplo, estudou o "Pé de Deus" encontrado em Oeiras, por volta de 1927 e escreveu: “Mesmo sinal existe em Oeiras, no Piauí, e o povo sempre venerou esse sinal, desde a antiguidade. A forma do pé, gravada numa chapa de pedra, é uma placa comemorativa, usada pelos povos antigos para indicar que naquele lugar esteve um homem, que foi um benfeitor do povo. A travessia de São Tomé pelo Atlântico nada tem de milagrosa. Naquela época a população das Canárias e das ilhas do Cabo Verde tinham ainda bons conhecimentos do Brasil e o zeloso apóstolo procurou uma caravela para ir com seus amigos pregar a nova religião aos povos do outro lado do oceano”.

Entretanto, muitas das marcas, precedem o santo cristão - e mesmo os fenícios - em milhares de anos. Tais interpretações - aplicadas também a figuras míticas de outras culturas americanas, como Quetzalcóatl e o andino Viracocha, subestimam sistematicamente as culturas indígenas e sua antiguidade. Até a primeira metade do século XX e, ocasionalmente, também depois, estiveram freqüentemente associadas a teorias sobre a superioridade dos europeus ou "arianos": como estes eram considerados a única "raça" humana dotada de criatividade, todos os sinais de cultura encontrados em outras raças deveriam ser atribuídos a contatos antigos com brancos. Daí a ênfase na suposta descrição de tais heróis civilizadores pelos indígenas como "brancos e barbudos", às vezes até como "loiros" - caracerísticas que, na verdade, surgem da reelaboração do mito após os descobrimentos, ou mesmo de sugestões de missionários ansiosos por identificar os heróis civilizadores indígenas com o "Apóstolo das Índias".

Referências Editar

  • Luís da Câmara Cascudo, Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global, 2000
  • Reinaldo Coutinho, "Milenares pegadas de Deus e o Diabo" [1]
  • Rosane Volpatto, "Pai Sumé" [2]

Veja também Editar

Pé-de-garrafa

Pé de Deus e Pé do Diabo

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória